Os Planetas – parte 1


sol-e-planetas

Além dos Signos, um outro grupo de personagens que habita os céus e a Astrologia são os Planetas.

A astrologia adota o significado original da palavra planeta, que significa “errante”, usado em oposição às estrelas, que, em relação à esfera celeste, aparentemente estão “fixas”. Portanto, para a Astrologia, o Sol e a Lua são planetas, pois são errantes, ou seja, se movem no céu para um observador da Terra.

Para o astrólogo o que interessa são suas influências em relação às pessoas.

As estrelas e constelações seriam apenas pontos de referência para analisar-se os reais atores do drama celeste, os planetas. É inegável a influência do Sol sobre a Terra, pois rege as marés e sem ele a vida seria impossível. Também é inegável a influência sobre as pessoas: compare um dia de sol brilhante e um nublado, por exemplo. E a lua também. Veja o termo “lunático”, aplicado às pessoas mentalmente perturbadas, associada a uma possível agitação maior destas pessoas em determinadas fases da lua. Tratar estes dois astros como planetas é bastante pertinente quando pensamos em Astrologia. Fora do mapa astral, o astrólogo sabe que o Sol é uma estrela e a Lua o satélite da Terra.

Ao todo são dez planetas: a lua e o sol e os planetas, excluída a Terra, embora possam ser considerados nos mapas alguns asteroides maiores como Quíron e Sedna e posições especias da lua, como Lilith e os nódulos lunares, que tem influência nos mapas astrais como um planeta.

Os planetas são classificados em três grandes grupos, os planetas pessoais, que estão mais próximos e com ciclo orbital (giro em torno do sol ou seu caminho na esfera celeste) próximos a um ano. Dado o tempo curt0 deste ciclo são os que mais influenciam o nosso dia a dia, por isso são pessoais. São eles:

  • Sol, com ciclo orbital de um ano (na realidade, obviamente este é o ciclo orbital da Terra)

  • Lua, com ciclo orbital de 27,33 dias (na realidade o movimento de revolução em torno da Terra)

  • Mercúrio, 88 dias

  • Vênus, 225 dias

  • Marte, 688 anos (aproximadamente um ano e 11 meses)

O grupo de planetas seguintes é o transicional. O ciclo destes planetas envolvem períodos grandes na vida de um indivíduo, correspondendo a fases de sua vida (por exemplo, infância, adolescência, vida adulta). São eles:

  • Júpiter, 12 anos

  • Saturno, 29 anos e meio

Saturno Deus

O último grupo são os planetas geracionais, assim chamados por influenciarem ou mais gerações. inteira.

  • Urano 84 anos

  • Netuno 165 anos

  • Plutão 248 anos

Apesar de Plutão ter perdido seu status de planeta, ainda é considerado como tal pela Astrologia.

Os planetas geracionais foram descobertos após a invenção do telescópio e não estão presentes na astrologia da Antiguidade e da Idade Média. Devido a seus ciclo extremamente lento, a percepção de sua influência pela geração de pessoas que a vive não é clara. O estudo da História e da Sociologia nos dá uma visão de períodos mais logos e conseguimos hoje em dia olhar de fora as gerações passadas, nossa própria geração e a juventude e adolescência do momento presente. Costumamos dar nome a elas (às vezes pejorativos), baby boomers (pós guerra até anos 60), geração X (anos 60-70), geração Y (anos 80-90, ironicamente chamada de Geração Coca-Cola) e geração Z (pós anos 2000).

Ou movimentos sociais oriundos da juventude: hippies, punks, darks, new wave, clubers, góticos.

Ou ainda as artes: impressionismo, cubismo, pós modernidade etc.. que afetam um grupo grande de pessoas.

Cubismo - Violino com Uvas - Picasso

Cubismo – Violino com Uvas – Picasso

Cada um dos planetas representa um papel no drama astrológico desenhado no céu de cada um de nós. Os consideramos os principais atores.

Vamos ver agora qual é o script atribuído a cada um deles. Inicialmente, os planetas pessoais, que como vimos tem uma influência mais forte no nosso dia a dia.

O Sol

sol simboloDevido à sua importância como astro, o Sol designa o nosso signo de nascimento, a que chamamos de signo solar. Seria o signo onde naquele momento o sol estaria presente. Ele rege aquelas características básicas que lemos em livros de astrologia populares, que nos contam como cada signo é.

O sol rege o signo de Leão. Simbolicamente, Leão está associado ao poder, autoridade e liderança, por isso tem o Sol como seu regente. A casa natural do Sol é a quinta casa, que se refere às diversões e aos prazeres e também a criatividade. Culturalmente é muito fácil associar o Sol a estas características. Quem não gosta de um dia ensolarado? Como não comparar o brilho de uma ideia criativa ao brilho do próprio Sol?

Na mitologia grega, o Sol está associado a Apolo, simbolizando outras características associadas ao astro-rei: juventude e vitalidade. Apolo também governa as artes (em especial a música), a cura e a profecia. Sua presença em determinada leitura indica momentos ou situações onde a individualidade pode se manifestar, ou seja, onde a luz da pessoa pode brilhar, como no dia de seu próprio nascimento.

Lua

lua simboloA Lua está associada à noite e seus mistérios e também à constante mutação. Astro feminino por excelência, rege o ciclo menstrual da mulher e também vários outros ciclos, como as marés (em conjunto com o Sol). Há vários mitos que envolvem criaturas da noite influenciadas por ela merecendo destaque as bruxas e os lobisomens.

Convém aqui desde já desmistificar a imagem da bruxa como malévola, distorção provocada pelo cristianismo, que demonizou a sabedoria feminina. Creio que está mais do que na hora as religiões cristãs deixarem seu pedestal e respeitarem a sabedoria de religiões ditas “primitivas” que reconheciam o valor das mulheres.

Astrologicamente, a Lua rege a impulsividade que dá força à criatividade, à intuição, à emotividade. Rege o signo de Câncer (o signo da emotividade) e tem como casa natural a quarta casa, o lar.

Na mitologia Lua está associada a diversas divindades, por exemplo, Hécate, a Deusa com três faces, representando três aspectos da Lua: brilho máximo (Lua cheia), brilho mínimo (Lua Nova), brilho diminuído (crescente e minguante); Selene (ou Luna), a Deusa dos mistérios e Diana (ou Ártemis), a Deusa da caça e irmã gêmea de Apolo. O culto a Diana acabou suplantando o das outras divindades, assumindo também algumas das características das outras deusas. Isso trouxe um certo prejuízo: Diana e Selene eram muito similares em muitos aspectos, porém diferiam em um, em quase total oposição: a relação com a sexualidade. Diana era um virgem irredutível, que inclusive se vingava de homens que a desejavam. Selene por outro lado dava livre vazão a seus desejos sexuais, mais adequada à imagem de cúmplice dos amantes que fazemos da Lua hoje.

Mercúrio

mercurio simboloMercúrio está relacionado à mente, ao processo de pensamento e às comunicações, à magia e à iniciação. Rege dois signos: Gêmeos e Virgem. Suas casas naturais são a terceira, das comunicações e a sexta, do trabalho. Tem um ciclo planetário de 88 dias, fazendo com que seja o planeta mais veloz do céu. Por esta razão ele está associado ao deus Mercúrio ou Hermes, que era o mensageiro dos deuses, representado algumas vezes com asas nos pés, outras, com um capacete com asas, ou ainda, as duas. Esta velocidade também era associada à esperteza, a capacidade de pensar rápido e tirar proveito disso.

venus simboloVênus

Vênus é o planeta do amor, das relações afetivas e das posses. É considerado um planeta benéfico, sendo às vezes chamado de o pequeno benfeitor. Vênus simboliza o que a pessoa atrai para si e como se relaciona com os outros. Rege os signos de Touro e Libra e suas casas naturais são a segunda, dos ganhos e gastos e a sétima, das relações próximas.

Vênus ou Afrodite na mitologia é a Deusa da Beleza e representa o arquétipo feminino, reunindo em si todos os atributos associados ao sexo feminino: beleza física, sensualidade, desejo, fragilidade e as emoções do amor, do ciúme e da vaidade. Por isso o seu símbolo foi usado para designar o sexo feminino.

Estes atributos são oriundo de uma cultura milenar patriarcal e são apenas arquetípicos ou simbólicos.

Marte

marte simboloMarte está associado à energia voltada para a ação, o impulso, a motivação de fazer as coisas. Rege o signo de Áries e sua casa natural é primeira casa, a casa do Eu. Na mitologia Marte é o Deus da Guerra e representa a masculinidade arquetípica, sendo o seu símbolo usado para designar o sexo masculino. A força física, a determinação, a agressividade, a ausência de delicadeza, o uso de armas a inteligência estratégica estão associados a ele. Também as emoções de raiva e ódio.

Do ponto de vista feminista, Marte encarna o típico machista: musculoso, violento, irracional. Na mitologia grega, ele e sua irmã Atena, deusa da Justiça e da Sabedoria, tiveram uma briga literalmente homérica e Marte saiu derrotado. A descrição da briga, feita por Homero, parece cena de um filme de super heróis, com montanhas sendo destruídas e vales sendo escavados. Simbolicamente significa a vitória da Justiça sobre a Guerra.

Como lado positivo temos a inciativa, a coragem e a paixão. Na mitologia Marte foi amante de Vênus, ambos movidos por uma paixão ardente.

guillemot mars venus

0
Compartilhamentos
Alvaro Domingues
 

Filósofo, escritor e oraculista.